Connect with us

América Latina

Nicarágua faz reajuste no salário mínimo de 3%

País aprovou reajuste para todos os setores da economia nacional

Nathália Urban

Published

on

A Nicarágua aprovou um reajuste salarial de 3% para todos os setores da economia nacional (trabalhadores dos setores público e privado do país) de acordo com a Comissão Nacional de Salário Mínimo, composta pelo Governo, as centrais sindicais  e o setor privado.

 O novo salário mínimo entrará em vigor de 1º de março de 2021.

“Continuar a trabalhar, a continuar a comprometer-se, a continuar a prosperar e a fazer parte do desenvolvimento económico e social desta Beata e Sempre Livre Nicarágua, com a esperança de continuarmos a caminhar”, disse a Ministra do Trabalho Alba Torres.

O dirigente sindical da Frente Nacional dos Trabalhadores (FNT) Luís Barbosa está feliz que este acordo tríplice de reajuste do salário mínimo beneficia milhares de trabalhadores. E disse que o acordo é o esforço compartilhado de trabalhadores, empregadores e governo para chegar a esta decisão.

Barbosa ficou satisfeito com o acordo, “e trabalhar para fazer nosso país avançar, porque a Vitória é Nossa”.

Enquanto isso, Leonardo Torres, presidente do Conselho da Micro, Pequena e Média Empresa da Nicarágua (Conimipyme), disse que o acordo é o resultado quando se trabalha em consenso.

“Quem ganhou aqui? O país venceu, a Nicarágua venceu, todos nós vencemos;  Sem a força do setor sindical, quero dizer os trabalhadores e sem a força do setor empresarial, os empresários e a facilitação do governo, pois logicamente, não seria possível impulsionar a economia deste país”, refletiu.

Ele garantiu que, nos próximos anos, as chances de melhores reajustes do salário mínimo estarão em linha com o crescimento econômico da época.

Aproveitando o ensejo….
Aqui na Fonte BR, trabalhamos muito para entregar para vocês informações de qualidade amparadas unicamente na realidade dos fatos. Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você?
Clique aqui e seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolha a Fonte!

Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você? Seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo. 

X