Connect with us

América Latina

Guatemala compra quatro milhões de doses da vacina Sputnik

Com doses doadas de Israel, o país iniciou a vacinação na quinta-feira (25) com os profissionais de saúde

Karla Burgoa

Published

on

O Ministério da Saúde confirmou na terça-feira (23) a compra de 4 milhões de doses da vacina russa Sputnik, que prevê receber na segunda semana de março.

Amélia Flores, Ministra da Saúde, explicou este avanço e as demais negociações que realizam com diversos fabricantes de vacinas.

No caso da vacina russa, ela acrescentou que há dois cenários: a doação e a compra, esta última, a primeira entrega, foi oferecida na segunda semana de março, disse o responsável.

A ministra ainda informou que com a chegada da doação israelense de 5.000 doses de vacinas da empresa Moderna, a imunização começou simultaneamente com 2.500 trabalhadores dos cinco hospitais que tratam pacientes com covid-19.

País negocia com outras fabricantes

Sobre a vacina da Pfizer, ela lembrou que tanto a Saúde quanto a Previdência fizeram negociações para adquirir 7 milhões de doses “que são muito confiáveis ​​e no final da Páscoa poderíamos começar a imunizar com essa vacina”, disse.

“Em abril será recebido um valor e nos próximos dois trimestres os outros dois valores semelhantes”, disse Flores.

Sobre a negociação com a Johnson & Johnson, explicou que assim que cumprirem os registros poderão estar recebendo em abril.

Sobre as vacinas reservadas com o consórcio Covax, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), disse que a Guatemala já fez uma reclamação.

Ela mencionou que isso se deve à irresponsabilidade por não ter informações sérias ou escritas sobre a entrega do primeiro lote.

*com informações de Nodal

Aproveitando o ensejo….
Aqui na Fonte BR, trabalhamos muito para entregar para vocês informações de qualidade amparadas unicamente na realidade dos fatos. Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você?
Clique aqui e seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo.

Jornalista boliviana, periodista potiguar. Formada pela UFRN, já trabalhou com telejornalismo diário e rádio, e atualmente, busca por meio da escrita, contribuir por uma mídia brasileira que enxergue a América Latina além dos esteriótipos

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolha a Fonte!

Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você? Seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo. 

X