Connect with us

América Latina

Para reparar danos na economia, Bolívia devolve ao FMI crédito de US$ 346,7 milhões recebido em governo golpista

O FMI condicionou ao país uma série de imposições fiscais, financeiras e monetárias, contra a soberania econômica do país

Karla Burgoa

Published

on

O presidente do Banco Central da Bolívia (BCB), Edwin Rojas, anunciou nesta quarta-feira (17) que o crédito de US$ 346,7 milhões foi cancelado e devolvido ao Fundo Monetário Internacional (FMI), que foi administrado de forma irregular pelo governo golpista de Jeanine Áñez, em abril de 2020, e gerou custos adicionais de US $ 24,3 milhões.

“Desta forma, uma vez realizadas as ações administrativas e devolvidos os recursos, a atual administração do Banco Central da Bolívia, no âmbito de suas atribuições e normas vigentes, executará as ações administrativas civis e penais correspondentes contra os Servos, ex-servidores públicos que têm indícios de responsabilidade por sua participação no processo de negociação, subscrição e operacionalização do referido financiamento com o Fundo Monetário Internacional ”, disse Rojas em entrevista coletiva.

Esse empréstimo, além de irregular e oneroso em função das condições financeiras, gerou custos econômicos adicionais e milionários para o Estado boliviano, que em fevereiro de 2021 totalizavam US$ 24,3 milhões, dos quais US$ 19,6 milhões são decorrentes de variação cambial e US$ 4,7 milhões em comissões e juros, detalhou o presidente do BCB.

A análise realizada pelo BCB também determinou que o Instrumento Rápido de Financiamento com o FMI condicionou uma série de imposições fiscais, financeiras, cambiais e monetárias em violação ao disposto nos artigos 158 e 322 da Constituição Política do Estado e demais regulamentos relacionados em vigor, violando assim a soberania e os interesses económicos do país.

BCB vai realizar ações contra governantes responsáveis pela gestão de apoio ao FMI

O BCB, que depende do Poder Executivo, também anunciou que vai realizar ações civis e criminais contra governantes responsáveis ​​pela gestão do apoio financeiro do Fundo Monetário Internacional.

Depois de concordar com o empréstimo em abril de 2020, o governo de Añez submeteu uma lei ao Parlamento para aprovação, mas o Congresso, controlado pelo partido de Morales, o Movimento pelo Socialismo (MAS), a rejeitou.

O MAS argumentou então que o governo não enviou a documentação exigida. O ex-presidente Evo Morales se distanciou do FMI durante seus 14 anos de mandato (2006-2019) e rejeitou qualquer crédito.

O porta-voz do FMI, Gerry Rice, disse em junho passado que o crédito para apoiar o balanço de pagamentos da Bolívia era “transparente”.

*com informações de ATP Digital

Aproveitando o ensejo….
Aqui na Fonte BR, trabalhamos muito para entregar para vocês informações de qualidade amparadas unicamente na realidade dos fatos. Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você?
Clique aqui e seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo.

Jornalista boliviana, periodista potiguar. Formada pela UFRN, já trabalhou com telejornalismo diário e rádio, e atualmente, busca por meio da escrita, contribuir por uma mídia brasileira que enxergue a América Latina além dos esteriótipos

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolha a Fonte!

Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você? Seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo. 

X