Connect with us

Ásia

Golpe em Mianmar: opositores organizam protestos pelo Twitter

Professores se juntaram à campanha de desobediência civil, antes organizada pelo Facebook

Ady Ferrer

Published

on

O governo militar que tomou o poder em um golpe concretizado na segunda-feira, 1°, em Mianmar, bloqueou o Facebook após opositores começarem a organizar protestos pela rede social. Então, os protestos começaram a ser organizados através do Twitter.

Segundo a Reuters, houve um aumento no número de downloads no aplicativo no país. Hoje, 5, o app está no Top 5 dos mais baixados na PlayStore, da Google, e na AppStore, da Apple.

As hashtags #RespectOurVotes (RespeiteNossosVotos), #HearTheVoiceofMyanmar (EscuteAvozDeMianmar) e #SaveMyanmar (SalveMianmar) estão nos trending topics desde o dia do golpe.

Professores entram na resistência

Professores do país se juntaram à campanha de desobediência civil, onde diferentes profissões anunciaram greves. Já paralisaram médicos, estudantes e profissionais dos setores público e privado.

Os professores estão utilizando um símbolo da saga de filmes Jogos Vorazes – três dedos apontados para cima. O símbolo tem sido utilizado em diversos protestos contra regimes autoritários ao redor da Ásia.

*com informações de Reuters

Aproveitando o ensejo….
Aqui na Fonte BR, trabalhamos muito para entregar para vocês informações de qualidade amparadas unicamente na realidade dos fatos. Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você?
Clique aqui e seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo.

Jornalista formada pela UCPel-RS, especialista em Relações Internacionais pela UnB e pós-graduanda em Cinema e Audiovisual pela Belas Artes de São Paulo. Podcaster no MIDcast política, #AdyNews e SulCast.

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Golpe em Mianmar: internet é cortada no país e protestos tomam as ruas | Fonte [BR] - A embaixada das notícias

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolha a Fonte!

Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você? Seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo. 

X