Connect with us

América Latina

Bolívia retoma a criação do Instituto Ibero-americano de Línguas Indígenas

A iniciativa foi interrompida durante o golpe de Estado racista e que assolou o país em 2019

Karla Burgoa

Published

on

O Estado Plurinacional da Bolívia anunciou que retomará o projeto de criação do Instituto Ibero-Americano de Línguas Indígenas com o objetivo de declarar a década 2022-2032 como um momento para instar os governos dos países irmãos a tomarem medidas urgentes em relação à necessidade. O projeto havia começado durante o governo Morales,  foi interrompido durante a gestão da presidente golpista Jeanine Añez.

A criação do Instituto faz parte do Plano de Ação Global da Década Internacional das Línguas Indígenas, promovido pela UNESCO. A proposta do organismo internacional enfatiza o uso dos idiomas originários como um direito vital para os povos indígenas do mundo, fazendo um chamado para que os governos tomem medidas para favorecer sua sobrevivência.

Durante a Reunião de Coordenação do Comitê Gestor Interinstitucional do Ano Internacional das Línguas Indígenas, realizada nesta segunda-feira, a Coordenadora dos Parlamentares Supra-Estaduais, Martha Ruiz, expressou seu compromisso em ser parte ativa e pró-ativa na elaboração e execução do Plano Diretor Nacional e Internacional para especificar a iniciativa boliviana.

“Para reiniciar as atividades para o Ano Internacional das Línguas Indígenas e projetar a declaração da Década 2022-2032, paralisada durante o governo transitório (…) devemos apoiar e buscar alianças estratégicas no nível dos parlamentos internacionais do Parlamento Andino , América Latina, Amazônia, Indígena, MERCOSUL e UIP, para atingir os objetivos traçados pelo Estado boliviano ”, afirmou Ruiz.

Em 2016, com o objetivo de sensibilizar a opinião pública sobre os riscos que estas línguas enfrentam e o seu valor como verdadeira identidade do país, bases de conhecimento e modos de vida; A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) proclamou 2019 como o Ano Internacional das Línguas Indígenas e se estabeleceu como seu órgão coordenador.

Para a UNESCO, as línguas indígenas desempenham um papel crucial para que as comunidades falantes assumam seu destino e participem da vida econômica, cultural e política de seus países.

Desde 2006, com a posse do governo Morales, o primeiro líder aimará do país, a Bolívia passou por um processo de mudança constitucional que, em 2009, refundou a Bolívia, de República para um Estado Plurinacional, um projeto de descolonização que buscou superar os limites da política republicana liberal e o integracionismo homogeneizador nacionalista, apontados como entraves para o reconhecimento de uma cidadania plena das populações indígenas da Bolívia.

Desde 2009, o país reconhece “todos os idiomas das nações e povos indígenas originários campesinos”, totalizando 36 idiomas nativos como oficiais.

Aproveitando o ensejo….
Aqui na Fonte BR, trabalhamos muito para entregar para vocês informações de qualidade amparadas unicamente na realidade dos fatos. Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você?
Clique aqui e seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo.

Jornalista boliviana, periodista potiguar. Formada pela UFRN, já trabalhou com telejornalismo diário e rádio, e atualmente, busca por meio da escrita, contribuir por uma mídia brasileira que enxergue a América Latina além dos esteriótipos

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolha a Fonte!

Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você? Seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo. 

X