Connect with us

América Latina

A Colômbia excluirá da vacinação contra COVID-19 os venezuelanos irregulares no país

“Aqueles que não são atualmente credenciados como cidadãos colombianos, e cujo status migratório não foi regularizado, não serão imunizados”, afirmou Duque

Karla Burgoa

Published

on

O presidente da Colômbia, Ivan Duque, anunciou na segunda-feira (21) que excluirá do processo de vacinação em massa contra a covid-19 os venezuelanos em situação irregular, que constituem 55% dos 1,7 milhões de venezuelanos no país. O presidente não falou a respeito da situação dos estrangeiros de outras nacionalidades.

O presidente Iván Duque disse em entrevista à Blu Radio que os venezuelanos no país só serão vacinados se tiverem nacionalidade colombiana ou se estiverem em dia com a lei de imigração. “Aqueles que não são atualmente credenciados como cidadãos colombianos, e cujo status migratório não foi regularizado, não serão imunizados”, afirmou Duque, que fez a compra de 40 milhões de doses de imunizantes contra a covid-19

Duque acrescentou que sem essas condições o governo estaria “quase pedindo uma debandada; para que todos atravessassem a fronteira e pedissem para serem vacinados”.

Sem relações diplomáticas com o governo de Nicolas Maduro, o país é o que mais recebe imigrantes venezuelanos no mundo – mais de 1,7 milhão – desde 2015, e em outubro, havia pouco mais de 1,7 milhões de venezuelanos na Colômbia, de acordo com a autoridade de imigração, que estima que 55% deles estão “em condições irregulares”. Um total de cinco milhões de venezuelanos deixaram seu país, de acordo com a ONU.

Em meio ao aumento da velocidade de contágio, o presidente enfatizou que sua “prioridade” será a imunização dos colombianos. Entretanto, explicou que, no caso dos venezuelanos que estão regularmente no país, serão aplicados os mesmos critérios de vacinação que para os nacionais, ou seja, por causa de sua condição de risco.

O governo anunciou recentemente um programa de vacinação em massa a partir de fevereiro, após garantir o acesso a 40 milhões de doses para uma população de 50 milhões de habitantes. Entre as vacinas selecionadas estão as das empresas farmacêuticas Pfizer e AstraZeneca.

Na segunda-feira, o Presidente Duque foi criticado por seu anúncio a respeito da população migrante.

“Que tal Trump negar a vacina Pfizer a todos os migrantes latinos que vivem nos EUA, como Duque anunciou ontem para os venezuelanos na Colômbia? O que você acha @ONUHumanRights , ou o que resta dela na Colômbia, desse ultimato genocida?”, escreveu o ex-presidente da Colômbia Ernesto Samper em seu perfil no Twitter.

COVID-19 na Colombia

Até a data do anúncio do presidente, a Colômbia era, com 40.680 mortos, o 12º país no ranking de vítimas fatais da pandemia. Na América Latina, era o quarto, atrás do Brasil (187 mil), México (118 mil) e Argentina (42 mil), nessa ordem.. O país tem a terceira maior população da América Latina (50,5 milhões), atrás de Brasil (212 milhões) e México (129 milhões).

Aproveitando o ensejo….
Aqui na Fonte BR, trabalhamos muito para entregar para vocês informações de qualidade amparadas unicamente na realidade dos fatos. Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você?
Clique aqui e seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo.

Jornalista boliviana, periodista potiguar. Formada pela UFRN, já trabalhou com telejornalismo diário e rádio, e atualmente, busca por meio da escrita, contribuir por uma mídia brasileira que enxergue a América Latina além dos esteriótipos

Continue Reading
1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Novo massacre na Colômbia deixa cinco vítimas, entre elas, uma criança de 2 anos | Fonte [BR] -

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolha a Fonte!

Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você? Seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo. 

X