Connect with us

América do norte

Biden e os seus neonazistas de estimação

Já o conselheiro de Joe Biden, Miker Carpenter foi até mesmo saudado pela ONG afiliada à OUN-B, “Pessoas Livres”, que têm fortes laços com a diáspora ucraniana organizada, um tweet do grupo fala sobre uma 3ª Guerra Mundial” (!!!).

Cleber Lourenço

Published

on

Talvez a maior diferença entre o presidente eleito Joe Biden e o perdedor Donald Trump seja a forma como lidam com neonazistas.

Enquanto Trump nunca se envergonhou da militância e até mesmo se vangloriou, Biden sempre evitou explicitar o apoio dessa gente ao seu lado.

A produtora do canal de Youtube StopFake, Irena Chalupa, foi escolhida como porta-voz dos ucranianos americanos da convenção nacional dos democratas (DNC) para Biden na reta final da campanha de 2020. Na década de 1980, ela trabalhou na sede da organização neonazistas OUN-B (organização dos nacionalistas ucranianos banderitas) em Munique e no “maior e mais importante guarda-chuva do mundo para ex-colaboradores do nazismo alemão”.

Algo que foi confirmado por ela depois de ser confrontada por um seguidor do Twitter:

Imagem
reprodução/twitter

Ainda há rumores de que Chalupa pode ter conhecido seu marido Banderita (seguidores do colaborador nazista ucraniano Stepan Bandera) britânico através do Bloco de Nações Anti-Bolchevique da OUN-B. Seu pai era amigo do líder da OUN-B, Yaroslav Stetsko. O próprio Bandera visitou a casa da infância de Krushelnycky (antes de ele nascer). Ele era um conselheiro oficial dos ucranianos americanos do DNC para Biden.

Imagem

Outro importante conselheiro Banderite dos ucranianos americanos para Biden foi Askold Lozynskyj, acusado de ser o mentor do OUN-B nos Estados Unidos.

Já o conselheiro de Joe Biden, Miker Carpenter foi até mesmo saudado pela ONG afiliada à OUN-B, “Pessoas Livres”, que têm fortes laços com a diáspora ucraniana organizada, um tweet do grupo fala sobre uma 3ª Guerra Mundial” (!!!).

Herança Obama

A administração Obama, através de Hillary Clinton, apoiou diretamente os levantes neoanzistas na Ucrânia assim como seus grupos.

A aliança entre a extrema direita ucraniana e o governo americano era tão profunda queem 2018, o Congresso Americano precisou lançar projeto de lei de gastos do governo de 2.232 páginas proibindo que as armas dos EUA fossem para miliciais ultranacionalista na Ucrânia depois que o exército regular ucraniano aceitou e reintegrou milicias neonazistas em suas fileiras.

Projetos de lei aprovados pela Câmara entre 2015 e 2018 tentaram incluir ]a proibição da ajuda dos EUA à Ucrânia de ir para o Batalhão de Azov, mas a cláusula foi retirada antes da aprovação final a cada ano.

Em 2014 Natalia Vitrenko, do Partido Socialista Progressista da Ucrânia que relatou que a situação era muito pior do que a que está sendo informada pela imprensa:

“Por todo o país, pessoas estão sendo espancadas e apedrejadas, enquanto os membros “indesejáveis” do Parlamento da Ucrânia estão sofrendo intimidação em massa. As autoridades locais vêem suas famílias e crianças sendo alvo de ameaças de morte caso não apoiem a instalação deste novo poder político. As novas autoridades ucranianas estão maciçamente queimando os escritórios de partidos políticos adversários, e anunciaram publicamente a ameaça de processo criminal e proibição de partidos políticos e organizações públicas que não compartilham a ideologia e os objetivos do novo regime.”

Aproveitando o ensejo….
Aqui na Fonte BR, trabalhamos muito para entregar para vocês informações de qualidade amparadas unicamente na realidade dos fatos. Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você?
Clique aqui e seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo.

Nada é mais importante para a democracia do que um eleitorado bem informado. Apaixonado por jornalismo e política. Textos publicados em: Revista Forum, Congresso em Foco e no UOL (pelo blog Entendendo Bolsonaro)

Continue Reading
2 Comments

2 Comments

  1. Pingback: Facebook contratou simpatizantes de neonazistas para fazer fact-cheking na Ucrânia

  2. Pingback: EUA e Ucrânia votam contra combate à glorificação do nazismo. Países da OTAN se abstiveram de votar | Fonte [BR] -

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolha a Fonte!

Que tal apoiar o jornalismo independente que fazemos para você? Seja um assinante. Fortaleça o bom jornalismo. 

X